Notícias
Movimentos pró-vida entram no cenário político local e propõem comissão multidisciplinar


02/09/2010 - Da redação

Movimentos pró-vida de Pernambuco como o Javé Nossa Justiça, Aborto Nunca Mais, Jamais Abortar e Brasil sem Aborto, cada vez mais, conseguem destaque na política estadual e nacional. Essas organizações têm o objetivo de promover palestras, debates e eventos para combater, entre outros pontos, a legalização do aborto. “Nós entendemos a mensagem de Jesus Cristo, escrita na Bíblia, e somos contra a morte e todas as suas diversas roupagens e máscaras”, afirma Augusto Sarmento, coordenador do Javé.

O engajamento político desses movimentos pode ser visto através de campanhas como “A Vida depende do seu Voto”, que apoia e promove políticos que são contra o aborto, e a “Caminhada Sim à Vida”, que já está na quarta edição e, este ano, pretende reunir mais de 50 mil pessoas na Avenida Boa Viagem.

Além desses eventos, os grupos pró-vida se articulam junto ao Governo. “Através de documento enviado ao Governo do Estado, solicitamos a criação de uma comissão multidisciplinar para garantir às famílias atendidas, principalmente pelo Sistema Público de Saúde, o Direito de Optar pela Vida (DOV). ”Hoje, essas famílias, só têm apoio das entidades abortistas, que cercam o sistema público de saúde. Quem opta pela vida é encaminhado para fila do sistema público de saúde aguardar uma ficha” relata Marcio Borba, também Coordenador do Javé Nossa Justiça.

Na Câmara Municipal do Recife os movimentos Pró-Vida participaram da Audiência Pública sobre aborto, em 2009, comandada pelo vereador Vicente Andre Gomes (PC do B), onde a defesa da vida obteve unanimidade entre os presentes que lotaram o plenário.

Apoiam ainda a Frente Parlamentar em Defesa da Vida, a qual os vereadores pró-vida são maioria, a exemplo de Aerto Luna (PRP) e Josenildo Sinésio (PT).

Na Assembleia do Estado de Pernambuco, os grupos Pró- Vida participaram da Audiência Pública sobre o Programa Nacional de Direitos Humanos do PT, ”onde defenderam a vida em meio a vários movimentos Pró-Morte ligados aos abortistas, homossexuais e movimentos que supostamente defendem os direitos das mulheres. Lembrando que, segundo informes, 51% dos abortos praticados no Brasil, têm como vítima crianças do sexo feminino”, diz Márcio Borba. ”Também foi solicitada à Comissão de Justiça, através do deputado André Campos, uma convocação de audiência Pública para discutir livremente com a sociedade a lei proposta pelo deputado pró-morte Isaltino Nascimento, que contraria a liberdade de pensamento, expressão e religião ao propor, dentre outras aberrações a proibição da leitura de trechos da bíblia que retrata a repulsa de Deus ao homossexualismo”, acrescenta Borba.

A principal argumentação dos movimentos pró-vida é baseada em descobertas científicas, de que a vida humana começa na fecundação. “Lutamos com tudo que depõe contra a vida, contra Jesus. Combatemos todas as misérias como aborto, pedofilia, homossexualismo, drogas, ateísmo, prostituição e violência”. Para eles, não há espaço para descanso. “O engajamento é diurno e noturno, 24 horas do dia, 12 meses do ano. A vigilância é total”, diz Sarmento.


Outras Notícias: