Notícias
Vitória de Santo Antão recebe o Movimento Javé


02/09/2010 - Da redação

O Javé Nossa Justiça esteve presente, nos dias 18 e 25 de julho, na cidade de Vitória de Santo Antão, cerca de 50 km do Recife. Nas ocasiões, o Javé fez uma apresentação sobre o movimento e suas missões para pais e crismandos do município. Foram reunidas mais de 460 pessoas na Igreja Matriz e 166 jovens em uma quadra reservada aos crismandos.

No evento, os coordenadores do Javé puderam chamar os presentes para a luta dos cristãos contra o aborto, ateísmo, drogas, homossexualismo, pedofilia, prostituição e violência, consideradas as sete misérias humanas. ”Nós temos o dever de alertar, conscientizar e evangelizar as pessoas para que fiquem alertas e atentas contra as práticas e ações da política e da mídia, que são contra as Leis de Deus”, afirma Augusto Sarmento, coordenador do Movimento.

Vários palestrantes estiveram presentes. O representante da Associação Jamais Abortar (AJA), Ricardo Brasil, foi um deles. Ricardo apresentou o tema “Uma vida em suas mãos”, no qual ele buscou conscientizar e levar as pessoas a raciocinar sobre o problema. ”O meu objetivo principal foi esclarecer, sem criticar e condenar, pois eu acredito que por maior que seja violência, nós temos o poder de arrefecê-la”, afirma Ricardo. Outro palestrante foi Iraponan Arruda, coordenador executivo do Comitê Pernambucano da Cidadania pela Vida. Iraponan abordou o tema da campanha ”A vida depende do seu voto”, que tem o intuito de apresentar à população, os políticos que são contra a legalização do aborto e que fazem parte da Frente Parlamentar em defesa da vida. Além disso, o coordenador explicou alguns pontos do Estatuto do Nascituro. Segundo esse Estatuto, o nascituro é um ser concebido, mas ainda não nascido e que adquire personalidade jurídica ao nascer com vida, mas sua natureza humana é reconhecida desde a concepção.

Margarida Félix, psicóloga com 25 anos de atuação, falou sobre ”O Enfoque Psicológico da Prevenção do Aborto”, assunto voltado, principalmente, para os pais e padrinhos dos crismandos presentes. Margarida explicou a importância da família na formação dos jovens e alertou para a grande exposição da juventude à televisão. ”Certos programas de TV são muito permissivos e só contribuem para desenvolver o interesse dos jovens pelo sexo. Filmes, campanhas, isso tudo faz com que a população fique mais passiva e manipulável”, afirma Margarida. A psicóloga também apresentou uma relação entre a pedofilia e o homossexualismo. Segundo ela, a onda jornalística sobre pedofilia na igreja católica transmite uma falsa ideia, pretendendo evitar falar em homossexualismo quando de fato se trata da pratica de homossexualismo com crianças, tanto que a atração sexual se dá pelo mesmo sexo, seja a vitima menor de idade ou adulta. ”A distorção se dá com o fim de manipulação da opinião publica visando a fazer crer que não se trata do distúrbio chamado homossexualismo, por razões puramente ideológicas. Ressalte-se que mesmo os casos atribuídos a padres, representam menos de um por cento da população eclesiástica. Deste modo, revela-se clara a intenção em atacar a instituição Igreja Católica, pelo fato da mesma representar um filtro crítico a tais manipulações mercadológicas, pois uma população com desequilíbrios sexuais será mais facilmente controlada, em termos de mercado ativo”, afirma Margarida.

Márcio Miranda fez uma explanação sobre o Sistema Jurídico Brasileiro e como ele é organizado. O advogado mostrou que o Código Penal possui uma lei que autoriza o aborto em caso de estupro ou risco de vida da mãe, mas essa mesma lei não é acolhida pela Constituição Federal, que está acima do Código Penal. ”A Constituição Federal do Brasil garante que o direito à vida é inviolável e essa Constituição é do ano de 88 e está acima do Código Penal, que é da década de 40. Portanto, não existe hoje, uma lei que autorize o aborto no Brasil”, afirma Márcio.

O palestrante Lamartine Holanda abordou o tema Ordem Mundial, no qual explanou sobre os interesses das superpotências em financiar a redução da população mundial dos atuais seis bilhões para dois bilhões. Segundo Lamartine, esses dados são baseados no Relatório de Kissinger, documento assinado em abril de 1975 pelo secretário de Estado Norte-americano, Henry Kissinger. O referido documento tinha o objetivo de disseminar várias formas de diminuir a população mundial, através de práticas como o aborto e a eutanásia.

Devido ao sucesso das palestras em Vitória de Santo Antão, o Movimento Javé tem o interesse em levar a iniciativa para mais cidades. “Temos solicitação de criarmos núcleos em outras cidades, estamos debatendo como iremos tratar deste assunto, pois o tema requer pessoas engajadas e com muita seriedade com as coisas de Jesus”, afirmou Márcio Borba.


Outras Notícias: